Todo final-de-ano, o setor varejista tenta equilibrar o lucro com a alta de consumo, por conta das compras de Natal, e os gastos com energia e utilidades (água, gás, diesel), gerados pelos horários a mais de funcionamento das lojas, durante este período. Mais tempo com as portas abertas significa, também, mais tempo com equipamentos, ar condicionado e escadas rolantes a pleno vapor. 

Com o forte crescimento das tarifas de energia elétrica este ano, e após um mês de novembro com bandeira vermelha em pleno período de Black Friday, o comércio entrou dezembro já pensando em como driblar os custos extras e aproveitar a alta nas vendas registrada no período de festas natalinas. Mesmo com o aviso da mudança para bandeira amarela, pela Aneel, o baque nas contas de energia durante esse mês é bastante significativo. 

Por este motivo, várias empresas decidiram adotar estratégias inteligentes para amenizar os gastos e evitar desperdícios, principalmente as lojas multi sites, com várias filiais e unidades consumidoras. Estão nesta categoria as lojas de varejo em geral, supermercados e restaurantes. São esses os setores que mais trabalham nos períodos que antecedem o Natal e que, geralmente, adotam horários diferenciados de funcionamento para atender melhor aos seus clientes, nesta época. 

Soluções integradas

Soluções integradas de gestão e gerenciamento têm sido a saída para grandes e médios consumidores de energia elétrica e utilidades, através de ferramentas e mecanismos que possam fazer uma gestão eficiente de tudo. E eficiência é a principal “dor” no setor de varejo multi site, assim como lucratividade, necessidade de redução de custos, conforto e comodidade dos clientes e funcionários. Para se alcançar tudo isso de forma econômica e programada, a operação tem que ser adequada.

A ENGIE tem se mostrado uma parceira ideal para este segmento, oferecendo, de forma customizada, exatamente o que cada um precisa. A empresa, especializada em soluções em energia, disponibiliza sistemas inteligentes e inovadores, que automatizam as operações com total praticidade, de forma remota, resultando em tudo o que os clientes buscam: economia, produtividade e sustentabilidade. Ou seja, é possível, sim, lucrar e economizar, sem mexer no conforto e comodidade dos clientes e colaboradores, de forma competitiva e, ainda, com valor agregado.

“É importante ressaltar que as empresas do varejo, muitas vezes, não sabem dessa automação, de que é possível ter um controle de climatização, por exemplo, mantendo um conforto térmico, com economia, sempre melhorando a experiência para o cliente. Esse é o principal mote do varejo”, diz Alessandro Ribeiro, gerente comercial da ENGIE, da divisão de gestão de energia.

As “dores” das lojas multi sites

O varejo, como se sabe, precisa ter uma margem de lucro, e outra “dor” percebida entre as lojas multi sites é o uso da tecnologia certa. E que tecnologia é indicada para fazer a gestão e gerenciar o consumo de energia adequadamente? Para a gestão, a ENGIE disponibiliza o SIG Energy, e para o gerenciamento e monitoramento de energia, há o Follow Energy, que hoje é usado por mais de 7 mil empresas no país, dentre as quais, aproximadamente 3 mil do ramo de varejo multi site, segundo informa Alexander Dabkiewicz, gerente comercial da ENGIE, que trabalha há anos com a plataforma. 

“Uma ferramenta como o Follow Energy fornece dados e informações que nos permitem identificar oportunidades de redução de custo de energia. Se não enxergamos o que está acontecendo, não conseguimos propor alguma melhoria”, avalia o especialista.

Como diria Peter Drucker, pai da administração: “se você não pode medir, você não pode gerenciar”, e é justamente isso o que um gestor precisa para operar com eficiência: controle e automação.

O sistema Follow Energy permite controlar a demanda e também a fatura de potência; desliga cargas não essenciais para manter o conforto, sem que haja ultrapassagem no consumo; envia comando remoto para controle e automação de efeito automático e tudo isso de forma remota, acessível pelo computador ou por um aplicativo que pode estar em um tablet ou celular.

Sistema permite controle de várias lojas de forma remota

Uma exclusividade do Follow Energy, e que tem sido a “cereja do bolo” nesta época de pico de funcionamento das lojas, é o fato do sistema possibilitar a programação para todos os equipamentos de todas as unidades, através de comandos via internet. Assim, é possível que todas passem a programar um novo horário, por exemplo, para o acionamento ou desligamento do ar condicionado, ou mesmo personalizar este programa, de acordo com a necessidade de cada site. 

“E o interessante é que você não precisa ir no local para fazer esta programação, ela é feita remotamente. Ainda mais se falando de tantas unidades consumidoras, filiais, multi sites”, avisa Alexander, para a alegria dos gerentes de contas.

Na parte de gestão, o SIG Energy surge como mais uma tecnologia a favor das empresas, fazendo a consultoria e análise de faturas de forma rápida, precisa e eficiente. Quando há um aumento na escalabilidade do número de unidades, fica mais difícil o controle e o operacional pesa, é aí que entra a plataforma da ENGIE, oferecendo automação na busca de fatura direto da concessionária, antes do vencimento; assim como a análise; auditoria; verificação de anomalias nas contas; emissão de relatórios, entre outros.

“Por mais que saibamos da complexidade das faturas, dos termos técnicos, o varejista quer é pagar sua conta para que não cortem a energia dele. Muitas vezes, passa despercebido um pagamento indevido. É neste momento, que entra a consultoria, com o SIG Energy, para analisar as contas, com tudo digitalizado dentro da própria plataforma, com dashboards customizados que geram relatórios e dão ao usuário total controle. Isso traz uma segurança para o cliente, porque ele sabe que está sendo bem gerido em sua cadeia de suprimentos e insumos”, explica Alessandro Ribeiro.

“Quando unimos a capacidade de controlar e automatizar, conseguimos resultados mais expressivos ainda. Hoje, temos resultados de 8 a 20% com a aplicação de gestão, monitoramento e controle de energia”, conclui Alexander.