Entre em Contato
18 de maio de 2021

O fornecimento de energia elétrica é vital para o funcionamento de um negócio, principalmente no setor industrial. No entanto, a falta de uma gestão deste insumo pode comprometer a eficiência da produção, impactando diretamente na competitividade da empresa dentro do segmento onde ela está inserida. 

Equipamento com baixo desempenho, consumo energético excedente ou o uso de um serviço de distribuição de energia elétrica inadequado para o seu negócio, são alguns exemplos das consequências de uma má gestão em energia. 

Atualmente, existe uma compreensão maior, por parte das empresas, sobre a importância do investimento em gestão energética. Mas ainda há quem resista à contratação deste serviço, motivado pela percepção de “custo adicional” ou pela falta de conhecimento sobre o real papel do gestor de energia e os resultados positivos que ele gera para o negócio, principalmente no setor industrial, onde a demanda energética é maior.

Uma má gestão pode comprometer a competitividade da empresa

Empresários do segmento de plástico, por exemplo, precisam ter conhecimento sobre seus insumos de produção, inteligência do mercado onde atuam, foco no seu “core business”. A energia, apesar de ser um insumo importante dentro da estrutura de custo desta empresa, não é o alvo principal. 

Para isso, há empresas especializadas, no setor energético, com expertise para agregar valor ao negócio e apoiar as equipes na melhor gestão deste insumo complexo, burocrático e com detalhes técnicos e jurídicos. 

Uma gestão de energia imprecisa e falha pode ocasionar custos desnecessários que, muitas vezes, comprometem seriamente a competitividade da empresa. É neste momento, que entra o gestor de energia, com sua experiência e conhecimento, oferecendo um serviço estratégico, criterioso e inteligente que vai muito além da análise de faturas ou do desenvolvimento de projetos de eficiência energética. 

Expertise dá segurança e confiabilidade ao serviço

Um gestor competente conhece as minúcias dos contratos de energia, está atento aos movimentos do mercado e está apto a apontar a melhor contratação, com planejamentos a curto, médio e longo prazos. Ele também garante ao seu cliente uma segurança e o protege de eventuais descumprimentos comerciais. 

“Vou dar o exemplo dos consumidores conectados em alta tensão, que possuem a alternativa de adquirir energia elétrica, não só da própria concessionária, mas, também, do mercado livre. Essa gestão apresenta complexidade e uma série de desafios no processo, que um gestor experiente tem conhecimento e habilidade para entender”, diz Alessandro Ribeiro, Gerente Nacional de Produtos e Serviços em Consultoria e Gestão de Energia da ENGIE. 

“O gestor pode propor soluções, orientar sobre contratação de demanda e tipos de encargos, entre outras recomendações específicas. São detalhes que, se não forem analisados por um especialista, podem gerar multas e despesas desnecessárias”, alerta.

Os dois maiores desafios das indústrias

Dois dos maiores desafios do setor industrial, nos últimos tempos, têm sido: reduzir custos com energia e conseguir investir em soluções energéticas inovadoras e sustentáveis, que diminuam suas emissões de GEE. Ações com impacto ambiental são uma cobrança cada vez maior dos mercados voluntário de carbono e consumidor, em todo o mundo. 

A recessão global, gerada pela pandemia no último ano, somada a esta preocupação crescente dos diversos setores da sociedade com as emissões de CO2, deixaram os vários segmentos industriais em alerta. Quem estava preparado, com um suporte de serviços e soluções em energia de qualidade, conseguiu passar pela crise, registrando, inclusive, crescimento.

“O que a gente tem visto, nesta última década, é um crescimento muito grande das empresas na busca por consultorias e gestão em energia, com o objetivo de reduzir seus custos. Neste cenário, se faz muito necessário esse tipo de serviço. Ele trará um diferencial para essa empresa e buscará formas de otimizar o consumo de energia”, explica Alessandro Ribeiro. 

O especialista da ENGIE também diz que é através do gestor de energia que a empresa encontrará as melhores soluções para alcançar eficiência energética, reduzir consumo e gastos. “Tudo isso, com uma gestão inteligente e personalizada”.


Dicas para acertar na escolha do gestor de energia

A escolha certa será imprescindível para a obtenção de resultados significativos. Um dos diferenciais que um bom gestor traz consigo, como um “selo de qualidade”, é a sua pró-atividade. Mesmo após a conclusão de um projeto específico, como a migração de um cliente para o mercado livre, o especialista contratado deve continuar dando suporte ao cliente, conforme aponta Alessandro. 

“Ao longo dos meus 20 anos neste segmento, tenho visto consultorias limitando seu foco na primeira etapa do processo, especificamente na conclusão da migração e compra de energia, deixando o cliente desassistido e carente na busca constante por soluções em reduções de custos.” 

Segundo ele, uma prestação de serviço deste tipo, traz transtornos e preocupações desnecessários para o cliente. Além disso, existem muitas ferramentas de gestão que apoiam especialistas nesta melhoria contínua, mesmo após o término do contrato de energia.

“É preciso se manter próximo, cuidando do processo de pós-contrato, acompanhando as modalidades tarifárias, ultrapassagens de demanda, energia relativa, multas na Câmara de Comercialização, entre outros”, alerta, complementando que a própria recontratação de energia no Mercado Livre é algo que precisa ser planejado com antecedência. 

“Em um contrato de fornecimento de longo prazo, é dever do especialista monitorar os preços de mercado e buscar a renovação antes mesmo que o contrato finalize. Sempre digo aos meus clientes: ‘Energia se compra na oportunidade e não na necessidade’”.

O diferencial ENGIE: portfólio de soluções amplo e customizado

Ao buscar uma consultoria de energia, deve-se considerar a inteligência e o know-how da empresa contratada – seja na migração ou compra de energia – e, ainda, se certificar se ela oferece um pacote de serviço customizado, que se adeque ao perfil e a necessidade de cada cliente. O tempo de atuação no mercado e sua carteira de cliente também são observações importantes a se fazer, antes de decidir. 

A ENGIE, empresa líder na geração e comercialização em energia e com 20 anos de mercado, oferece um amplo portfólio de soluções energéticas que inclui uma gestão de energia atuante, com um consultor dedicado para cada conta e um time de suporte que inclui: procurement e risco operacional, planejamento estratégico energético, auditoria e gestão de receita, análise estratégica e maximização, e consultoria regulatória e comercial. 

“É fundamental ter em mente que gestão de energia não é custo e, sim, investimento”, esclarece Alessandro, informando que, para quem não pode, neste momento, investir em infraestrutura ou equipamentos geradores, mas quer inovar, crescer e agregar valor à sua empresa, a ENGIE disponibiliza um novo modelo de negócios: o Energy as a Service. 

“Pelo EaaS, os clientes podem contratar uma solução em energia, se beneficiar de suas vantagens, sem precisar comprar o sistema ou equipamento instalados, contando com a parceria da ENGIE neste investimento”, conclui.