Algumas empresas necessitam de vapor em seus processos fabris, através da utilização de biomassa ou gás natural. Esses insumos são queimados em caldeiras, que por muitas vezes, por conta do tempo de desempenho, vão perdendo eficiência e consumindo mais insumos do que o necessário, para gerar a mesma quantidade de vapor. 

Uma boa alternativa para melhorar a eficiência é a substituição das grandes caldeiras aquotubulares, instaladas durante a década de 1970, e que ainda estão ativas em muitas indústrias. São equipamentos duráveis, mas que desperdiçam energia, consomem mais combustível e têm menor eficiência com relação às caldeiras de vapor modernas.

Ao longo dos anos, o progresso tecnológico introduziu no mercado equipamentos cada vez mais eficientes, capazes de garantir menor consumo de combustível e com a mesma produtividade. A adoção de soluções como esta, por exemplo, melhora o desempenho da caldeira, possibilitando aumento da qualidade da combustão e efetividade térmica.

Para garantir a sustentabilidade e competitividade dos negócios, a indústria química tem apostado em sistemas inteligentes de monitoramento de consumo e racionalização do uso de energia e água, com processos e equipamentos mais eficientes.

As soluções da ENGIE têm como foco o investimento nesses equipamentos tanto com automação como com aproveitamento de calor, para reduzir a necessidade de insumos.

A integração de programas de monitoramento e gerenciamento de energia e utilidades nos geradores térmicos é uma das formas inteligentes de as indústrias poderem controlar e avaliar o desempenho dos equipamentos instalados, mesmo para os sistemas de geração de vapor que possuem uma concepção atualizada.

Gestão inteligente com monitoramento e gerenciamento automatizados para indústria química

A ENGIE, maior empresa geradora, comercializadora e transmissora de energia do país, atua há mais de 20 anos fornecendo soluções sustentáveis, inovadoras e integradas para o setor industrial.

A geração de vapor faz parte do amplo portfólio dessa empresa que é líder em eficiência energética. Os serviços oferecidos vão desde a análise de viabilidade até a elaboração do projeto, passando pela instalação, operação e manutenção preventiva e corretiva do sistema.

Experientes gestores de energia fazem um atendimento customizado de consultoria, considerando as melhores possibilidades, inclusive a substituição do gerador, com a opção de locação de sistemas de geração de vapor e equipamentos.

“Fazer a manutenção de um ativo obsoleto muitas vezes não vale a pena. Investir em soluções asset-light pode ser menos interessante do que investir em asset-based”, diz Bernardo Blasi Villari, Gerente de Produtos Digitais de Consultoria e Gestão de Energia da ENGIE.

O especialista explica: “O problema de manter geradores antigos consiste na não adaptação desses ativos à transição energética, com baixo rendimento e alto custo. Cedo ou tarde a substituição precisará ser feita, por já estarem no fim de sua vida útil. Manter esse ativo significa protelar uma ação mais econômica e energeticamente mais eficiente”.

Outro ponto colocado pelo executivo é a importância do acompanhamento do gestor de energia, junto à equipe de engenharia, antes e durante as tomadas de decisões. 

“A falta desse suporte pode acarretar ações equivocadas, com impacto financeiro negativo. Faz-se necessário o suporte de um especialista com expertise e habilitado no funcionamento desses sistemas a vapor”, complementa Villari.

Plataforma digital da ENGIE otimiza o uso e a gestão da geração de vapor

É possível potencializar o bom uso energético da geração de vapor por meio de ações de eficiência, com a integração de sistemas inteligentes, automatizados, proporcionando  um melhor e maior resultado.

A ENGIE oferece plataformas digitais de gerenciamento e monitoramento de energia capazes de fazer o controle do consumo de água, gás, óleo e vapor, e supervisionar variáveis, como temperatura, nível, umidade relativa, concentração de CO2, entre outras. O sistema ainda coleta e exibe, em tempo real, informações energéticas de várias unidades consumidoras, sem limite de cadastros.

“Com essas informações, é possível identificar oportunidades de redução de consumo, identificar falhas ou situações indesejadas, fazer projeções, comparar o desempenho de unidades e acompanhar os resultados”, detalha, com números, Alexander Dabkiewicz, gerente comercial e especialista em Gerenciamento de Energia na ENGIE.

“Nossos clientes têm obtido nas faturas de energia economias médias de 5 a 12% quando utilizam o sistema como uma ferramenta de gestão, e de 8 a 25% quando também são implementados os recursos de controle automático”, informa.

O sistema pode, entre outras coisas, controlar a demanda de energia, efetuar programação horária, gerenciar o consumo e controlar bancos de capacitores. Como o sistema é modular e escalável, não há limite para a quantidade de pontos a gerenciar.

Tanto os contratos de prestação de serviços quanto os de locação de equipamentos e venda de utilidades (energia, gás, vapor etc.) são feitos com a capacidade de investimento ENGIE, em longo prazo, pelo Energy as a Service. Essa modalidade de negócios permite que o cliente fomente a inovação, sem investimento inicial, tendo a ENGIE como parceira.

Entre em contato conosco e saiba como aprimorar a gestão e o monitoramento da sua organização.

Se você gostou deste artigo, confira outros títulos em nosso blog: