O conceito de eficiência energética tem como base o uso racional da energia e sua origem vem das ciências físicas. A eficiência consiste na relação entre a energia utilizada por aparelhos, equipamentos, máquinas e instalações, e a energia disponibilizada a eles.

O escritor e professor Peter Ducker, considerado o pai da administração moderna, é enfático em sua fala ao afirmar que: “Se você não pode medir, não pode gerenciar”. E é exatamente disso que queremos falar.

Você sabe o que é eficiência energética?

Um exemplo clássico e didático de eficiência energética é a utilização de lâmpadas LED no lugar de lâmpadas incandescentes. Uma lâmpada LED de 7W consegue emitir a mesma luminosidade que uma lâmpada incandescente de 60W, ou seja: a lâmpada LED é cerca de 90% mais eficiente no quesito consumo de energia, sem contar demais quesitos como vida útil, e emissão de calor no ambiente.

O exemplo citado pode até ser óbvio, mas se colocarmos no papel a economia que se pode atingir com um projeto de modernização da iluminação — seja para diversas unidades de uma rede ou para um grande parque logístico, por exemplo — são muitos quilowatts-hora a menos e, logo, menores custos com energia.

Entretanto, só podemos mensurar e acompanhar o potencial de redução em todos os quesitos, e os resultados de fato de um projeto como este, realizando a medição dos consumos. Por isso, é muito importante o gerenciamento de energia em qualquer processo de eficiência energética.

Gerenciamento de Energia possibilita conseguir fazer mais com menos energia

  1. O primeiro passo para se tornar mais eficiente é olhar para dentro de casa, ou seja, olhar para dentro da empresa e refletir sobre o processo operacional e produtivo. A partir daí,  entender em quais aspectos se faz necessário o aperfeiçoamento e a modernização.
  2. A eficiência do processo operacional está diretamente ligada a qualidade e ao preço final do produto ou serviço no mercado. Ou seja, cada negócio deve ofertar um produto ou serviço superior aos dos concorrentes e com um preço mais atrativo.
  3. Investir em tecnologia de Gerenciamento e Automação pode ser a chave para esse objetivo

Durante a fase de análise, modernização e aperfeiçoamento do processo operacional, os softwares de gerenciamento serão de fundamental importância, pois através deste tipo de ferramenta será possível:

  • Monitorar os consumos

O monitoramento contínuo e sistemático dos consumos de energia elétrica ou demais grandezas de utilidades como água e gás é muito importante. A medida permite enxergar as curvas de consumo e obter uma massa de dados consolidada, o que permitirá ao gestor tomar decisões estratégicas para a operação de forma muito mais segura e embasada na realidade dos perfis de consumo. Além disso, permite conseguir de forma simples e objetiva visualizar novas oportunidades de redução por meio de análises gráficas disponíveis no sistema.

  • Reavaliar com frequência custos e lucros

Alguns estudos apontam que no segmento industrial, por exemplo, a energia elétrica representa cerca de 40% dos custos de produção, ou seja: a energia elétrica é um fator decisivo na precificação do produto. Além do monitoramento das grandezas de consumo, uma ferramenta de gerenciamento de energia permitirá que o usuário realize diversas análises financeiras referentes aos seus consumos monitorados. Isso inclui desde a simulação de faturas, considerando as tarifas de energia atuais, até mesmo estipular e acompanhar a evolução de metas de consumo, além de realizar comparações entre enquadramentos tarifários diferentes e simular os resultados financeiros obtidos em cenários de contratação de energia no mercado cativo e no mercado livre.

  •  Ficar atento aos possíveis desperdícios

Segundo a Confederação Nacional de Indústrias, cerca de 50% do custo de energia no setor provém de motores elétricos, sistemas de refrigeração, iluminação e ar comprimido. Muitas vezes, mesmo funcionais, esses sistemas e cargas podem estar desperdiçando energia sem que se perceba. Um exemplo típico é a utilização de maquinários desatualizados, uma vez que em comparação com máquinas mais atuais os equipamentos antigos tendem a consumir muito mais energia para produzir a mesma quantidade.

Conheça outros exemplos de desperdícios de energia que podem ser evitados com o Gerenciamento de Energia:

  1. Manter motores elétricos de determinadas máquinas energizados, mesmo com o maquinário fora de operação.
  2. Não desligar os circuitos de iluminação durante os períodos dispensáveis.
  3. Habilitar o start de 100% do sistema de refrigeração sem uma referência de temperatura ideal

Invista em ferramentas de gerenciamento de energia

Uma boa ferramenta de gerenciamento de energia e utilidades, além de realizar o monitoramento de diferentes variáveis, poderá auxiliar na redução dos consumos realizando o controle automático de cargas. Por meio dessa função, o sistema poderá realizar ações como o ligamento e desligamento automático e segmentado de determinadas cargas para eliminar os picos de consumo. Todas estas funções têm por objetivo impedir os desperdícios de energia e manter os perfis de consumos dentro dos limites pré-estabelecidos.

Ferramenta da ENGIE ajuda tornar empresas mais eficiente e reduzir custos operacionais

Um sistema de Gerenciamento de Energia mostra-se de importância vital para a economia de empresas e indústrias. Por conta disso, a ENGIE lançou o Follow Energy.

O Follow Energy possibilita monitorar o consumo de energia da empresa, identificando desperdícios e fornecendo dados precisos para planejar ações de economia. A plataforma é totalmente on-line e permite o gerenciamento remoto de forma prática e eficaz.

Ficou interessado? Conheça mais no site da ENGIE.

Texto produzido por Maurício Vilar.

Maurício Vilar

 

 

Maurício Vilar, Executivo de negócios de soluções da ENGIE